conecte-se conosco


Destaque

Bloqueio na fronteira da Bolívia já prejudica comércio em Cáceres

Publicado

O bloqueio na fronteira entre Cáceres (225 km ao oeste de Cuiabá) e San Matias já afeta o comércio da cidade brasileira. Insatisfeitos com a reeleição do presidente Evo Morales, que assume o 4º mandato, bolivianos fecharam a passagem há duas semanas.

Leia também – Vídeo mostra desespero de mãe despejada junto os 5 com filhos em Cuiabá

Segundo o prefeito de Cáceres, Francis Maris (PSDB), o município está oferecendo todo apoio necessário ao protestantes e aos bolivianos que necessitam de serviços ofertados na cidade. No entanto, não irá intervir na manifestação.

“O bloqueio já tem afetado o comércio da cidade. Eles estão proibindo todo mundo de passar pela dívida. Somente ambulâncias travessam para buscar serviços de saúde. Principalmente partos. Estamos à disposição para o que precisar”, esclareceu o gestor.

San Matias é um município pequeno, por isso moradores optam por buscar atendimento de saúde e fazer compras de mantimentos e outros produtos em Cáceres.

Os protestos contra o presidente eleito se espalham por todo o país e alguns registram feridos. Contudo, em San Matias a manifestação é pacífica.

Leia mais:   Comissão de Agropecuária e Regularização Fundiária limpa a pauta de projetos

Membros da oposição a Evo acreditam que a eleição foi fraudada e iniciaram o protesto, que se alastrou por todas as regiões e angaria cada vez mais simpatizante.

De acordo com o TSE boliviano, o partido de Evo, o MAS-IPSP, venceu as eleições com 47,08% dos votos (2.888.359, ao todo), contra 36,51% (2.240.920 votos) do partido do opositor Carlos Mesa, o CC (Comunidad Ciudadana). Os votos em branco representaram 1,47% e, os nulos, 3,57%.

Jessica Bachega / GD

Comentários Facebook

Destaque

Mais antiga secretária da administração, Nelci é exonerada pelo prefeito: “brigava muito”

Publicado

“A lealdade e a capacidade dela são inquestionáveis. Mas, também muito polêmica. Nos últimos tempos ela brigava muito e humilhava as pessoas”. Essas, de acordo com o prefeito Francis Maris Cruz (PSDB), foram às razões da exoneração da secretária de Fazenda e Planejamento, Nelci Eliete Longhi, ocorrida na segunda-feira (11/11).

Considerada uma das secretárias mais influentes, Nelci foi também a que mais tempo durou na administração. Ela permaneceu durante sete anos no staff do prefeito. Começou na primeira gestão, no início de 2013. Durante todo esse período, ocupou várias secretarias. Entre elas, de Educação.

Atravessou também momentos difíceis. Ela foi acusada de usar mesas e cadeiras da Secretaria para uma festa de aniversário, em sua residência. A denuncia que feita à época pelo então motorista da secretaria e, atual presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (SSPM), Fábio Lourenço. Ainda hoje, depois de 6 anos, o caso ainda tramita na justiça.

De acordo com o prefeito, Nelci será substituída pelo advogado Gustavo Calabria, que até então atuava na assessoria jurídica da Secretaria. A posse está prevista para segunda-feira. Francis estará fora da cidade, tratando de assuntos inerentes a administração. Nelci diz que “saio de cabeça erguida com a sensação do dever cumprido e de lealdade”.

Leia mais:   MT institui programa preventivo contra acidentes na 3ª idade

Editoria – Sinézio Alcântara

Comentários Facebook
Continue lendo

Destaque

Bloqueio na fronteira com a Bolívia impede de importar ureia e afeta comércio em Cáceres

Publicado

Protesto é contra a reeleição do presidente Evo Morales. Ele renunciou o cargo nesse domingo (10), mas os manifestantes afirmaram que sairão da fronteira quando tiver uma nova eleição no país.

A fronteira com a Bolívia na BR – 070, região de Cáceres, a 220 km de Cuiabá, bloqueada desde o dia 28 de outubro, está impedindo o município de comprar ureia para a agricultura, segundo o prefeito Francis Maris Cruz (PSDB). A manifestação também tem afetado o comércio da cidade.

Os bolivianos protestam contra a reeleição do presidente Evo Morales, que foi eleito pela quarta vez no dia 20 do mês passado.

Evo Morales renunciou o cargo no domingo (10), após uma escalada nas tensões no país. O vice-presidente, Álvaro García Linera, também apresentou a renúncia.

No entanto, os manifestantes afirmaram que sairão da fronteira somente quando acontecer uma nova eleição no país.

“Esperamos que a população boliviana volte ao trabalho e aos estudos e tenham uma vida de progresso”, ressaltou o prefeito de Cáceres.

“Cáceres perde muito com as fronteiras fechadas, pois os vizinhos bolivianos vinham muito para Cáceres fazer compras, principalmente de alimentos”, afirmou.

Por G1 MT e TV Centro América

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Entretenimento

Mais Lidas da Semana