conecte-se conosco


Artigos

Base aérea em Cáceres

Publicado

Não seria um bom começo para uma revolução na segurança da fronteira?

Tão logo empossado o secretário de segurança do estado Alexandre Bustamante tem anunciado que cobrará uma presença mais efetiva do governo federal no controle da fronteira aqui em Mato Grosso, colocando inclusive, entre outras importantes questões, a necessidade de instalação de uma base aérea na região, assunto que tenho abordado há décadas, tamanha é sua importância para vida nas cidades brasileiras e, em especial para as mato-grossenses, destacando a Região Metropolitana de Cuiabá.

A questão da base aérea levantada pelo secretário ganha muita força com a existência em Cáceres de uma pista de pouso subutilizada com 1.850 x 30m, capaz de receber jatos de carreira, em posição estratégica em relação aos 1.100 Km de fronteira bem como em relação ao Pantanal que vem servindo como plataforma de recepção de cargas de drogas e armas lançadas por pequenos aviões ou vindas por terra mesmo. Não seria um bom começo para uma revolução na segurança da fronteira mato-grossense e na vida de nossas cidades?

Recordo que em outubro 2009 registrei em um artigo a apreensão pela Polícia Federal no Trevo do Lagarto de um carregamento de armas modernas e poderosas destinadas ao Rio de Janeiro. O transportador havia informado que aquela era a terceira viagem desse tipo que fazia. Quantas outras cargas já teriam então passado por outros transportadores? Na semana imediatamente anterior fora apreendida uma enorme carga de cocaína e no mês anterior havia sido descoberta uma fazenda no pantanal usada para distribuição de drogas que chegavam por avião. Claro que essa situação vinha de muito antes, certamente continua até hoje em volumes muito maiores e continuará caso faltem providências estruturantes fortes como as anunciadas pelo secretário.

Um dos principais problemas das cidades brasileiras é a insegurança pública total, impondo-lhes um quadro de medo e violência jamais visto. Esta situação é fomentada e se agrava pelos tráficos de drogas, armas e veículos, que se articulam em poderoso esquema nacional e internacional submetendo aos seus interesses e caprichos povos do mundo inteiro, em especial os jovens. Como pensar em qualidade de vida urbana numa situação destas? Nossas cidades sofrem.

É de ressaltar que jamais será suficientemente enaltecido o trabalho que com todas as dificuldades e riscos é feito pelas polícias militar e civil do estado, Polícia Federal, polícias rodoviárias federal e estadual, e pelo Exército, bem como a importância dos governos continuarem incrementando essas ações terrestres na fronteira. Mas, no caso de nossa fronteira é indispensável lembrar que Mato Grosso é um dos únicos estados do Brasil a não dispor de uma Base Aérea. Mato Grosso do Sul tem, Goiás tem apesar de vizinha a de Brasília, e Rondônia tem duas! Considerando os 1.100 quilômetros de fronteira do estado – dos quais 700 em fronteira seca, e que seu território equivale a mais de 10% do território nacional, o absurdo dessa situação salta aos olhos. O problema se agrava na medida em que toda a fronteira nacional esteja protegida por bases aéreas e as rotas do crime acabem migrando para o grande rombo ainda existente nas fronteiras brasileiras, que fica justamente aqui, na nossa fronteira. E é o que parece acontecer cada vez pior e com mais intensidade.

Tal como a ferrovia passando por Cuiabá, o gás e a restituição integral aos mato-grossenses pelo governo federal do ICMS que deles foi “emprestado” pela Lei Kandir, uma base aérea na nossa fronteira é um projeto que merece o apoio de todos os mato-grossenses e neste caso da base, de todos os brasileiros pois o rombo em nossa fronteira é uma das principais fontes de abastecimento do crime em todo o Brasil.

JOSÉ ANTONIO LEMOS DOS SANTOS é arquiteto e urbanista, conselheiro do CAU/MT e professor universitário aposentado.

Comentários Facebook

Artigos

Saúde é estilo de vida

Publicado

O número de obesos no Brasil aumentou cerca 67% em treze anos. É o que aponta o Ministério da Saúde por meio da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças crônicas realizada em 2018. De acordo com os dados, mais da metade da população brasileira, 55,7% está com excesso de peso.

Outra pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde no mesmo ano, revela que 17,9% da população adulta no Brasil faz uso abusivo de bebida alcoólica. Se comparamos com a taxa registrada em 2006 houve um aumento de 14,7%. As mulheres configuram um percentual menor na pesquisa (11%), mas entre elas o crescimento é maior em relação aos homens (26%), no período de 2006 a 2018.

Apenas com essas duas pesquisas podemos observar que os costumes da população estão em constante mutação. É conhecido por todos na área da saúde, que os hábitos influenciam diretamente na qualidade de vida, e, por consequência, em nossa saúde. Podemos identificar no consultório que a resposta para muitas doenças está relacionada ao modo que os pacientes trataram de sua saúde.

Ao lidar com pacientes com câncer, identificamos a ligação direta desses pacientes com o excesso de peso, uso abusivo de álcool, tabagismo, sedentarismo, má alimentação, entre outros hábitos prejudiciais.  De acordo com o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), do Ministério da Saúde, somente no ano de 2018 em Mato Grosso, foram registrados 4.290 novos casos de câncer, em maior índice para os casos de próstata e mama feminina.

Em agosto celebramos o Dia Nacional da Saúde instituído em homenagem ao sanitarista Oswaldo Cruz, um dos principais responsáveis pelo combate de epidemias que acometiam o Brasil no começo do século XX, como a febre amarela e varíola. Em razão desta data, devemos falar sobre o valor da saúde e dos hábitos saudáveis, para manutenção de uma vida com vitalidade.

Trazer à tona números sobre a saúde da população brasileira e mato-grossense pode até ser redundante, mas estamos diante de uma sociedade que ingere cada vez mais alimentos processados, tem pouca prática de atividade física e sem a mínima preocupação com sua saúde.

É necessário que o assunto esteja sempre em voga para que os índices de doenças sejam menores a cada ano. Podemos falar em avanços da medicina, em tratamentos diferenciados para doenças complexas como o câncer, mas de nada adianta se não atentarmos para as ações do nosso cotidiano, que nos ajudam a retardar ou até mesmo eliminar as doenças em nossas vidas.

Falar de saúde com um panorama de doenças é lembrar das atividades indispensáveis para que esse cuidado essencial aconteça. Nesta semana nacional da saúde, que nossos olhos e atenção estejam voltados ao que faz melhorar nossa qualidade de vida.

Pequenas ações do dia a dia também são formas de fazer alguma atividade física, saindo do sedentarismo. Trocar as horas na frente da televisão por atividades prazerosas sempre vale a pena. Leve o cachorro para passear, caminhe pelo bairro, cuide do seu quintal e jardim, brinque com seus filhos e netos. Adotar a bicicleta como meio de transporte ou hobby, descer alguns pontos antes ou depois e trocar o elevador pelas escadas são algumas outras escolhas saudáveis que naturalmente podem auxiliar a manutenção natural de um hábito saudável e, ao mesmo tempo, ajuda a combater essa doença que tanto assusta a humanidade.

*André Henrique Crepaldi é médico oncologista e hematologista, diretor da Clínica Oncolog de Cuiabá/MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Artigos

Mato Grosso no caminho da sustentabilidade

Publicado

Mato Grosso se destaca por possuir três importantes biomas em seu território: Cerrado, Pantanal e Amazônia. Em razão das suas singularidades, é marcado por inúmeros conflitos ambientais e desigualdades regionais. Se levarmos em conta o alto PIB do Estado, não deveríamos ter ainda baixíssimos Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) na maioria dos municípios. Então, de que maneira promover a distribuição da riqueza?

Um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) aponta que duas em cada três pessoas que vivem nas cidades latino-americanas estão em condições de pobreza. No Estado, tudo isso está alinhado ao crescente impacto do crescimento desordenado das cidades sobre o meio ambiente e a área rural. O ‘abandono’ da população do campo potencializa ainda mais a fragilidade das gestões municipais.

Graças à percepção de gestores governamentais e parceiros, entre eles, a Federação das Indústrias (Fiemt), ONGs, universidades e associações – como a Academia de Arquitetura e Urbanismo (AAUMT), desde 2016 o Estado vem buscando mudar esta realidade. Tornou-se o primeiro ente subnacional do planeta a fechar parceria com a ONU para a promoção da Economia Verde e já possui ações em andamento.

A PAGE (Parceria para Ação em Economia Verde – em português) em Mato Grosso possui sete ações financiadas, a fundo perdido, pelas cinco agências da Organização das Nações Unidas, voltadas a reformas de política setoriais. A transição para o novo modelo requer políticas e ambientes atrativos à atividade econômica e geradores de oportunidades de investimento.

Criada pela PAGE/MT, e aprovada pelo PNUD, a metodologia promove o acesso universal ao conteúdo de elaboração e implementação dos Planos Diretores que estenderão o ordenamento territorial de toda a população estadual com foco na Economia Verde. O objetivo é alcançar: sustentabilidade ambiental, criação de empregos decentes, redução da pobreza e melhoria do bem-estar humano.

Esse trabalho também oportuniza a implantação dos 17 ODS (Objetivos do Desenvolvimento Sustentável e da Nova Agenda Urbana da ONU), com ações que propõem desde a qualidade de vida dos cidadãos à redução dos efeitos das mudanças climáticas. No mês de junho, em Fortaleza, tivemos a honra de apresentar os avanços de Mato Grosso durante um evento internacional, o Regional Ministerial Conferences on Green Economy.

Nossa equipe destacou várias ações em andamento nas áreas de energia renovável, agricultura familiar, cadastro ambiental rural (CAR), turismo sustentável, plano de gestão para o Centro Histórico de Cuiabá e a avaliação do potencial de emprego e renda. Também mostrou nosso produto principal: a elaboração e implantação de Planos Diretores Participativos de Desenvolvimento Municipal em 106 cidades.

Recebemos feedback muito positivo de representantes de países da América Latina e Caribe, além da União Europeia e Ásia, portanto, não é exagero dizer que estamos no caminho certo. Porém, é fundamental compreender que esse projeto depende, em grande parte, da sustentabilidade de 75% dos municípios mato-grossenses que possuem população inferior a 20 mil habitantes.

Nesse sentido, há que se reconhecer o mérito de Mato Grosso, da PAGE e também da AAU-MT, em contribuir com a construção de uma nova realidade, que acontece em plena 4ª Revolução Industrial. Um momento marcado pela convergência de tecnologias digitais, físicas e biológicas, por robôs integrados em sistemas ciberfísicos, que transformaram a forma como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos.

Diante das mudanças, precisamos atuar em várias frentes, mudando estruturas legislativas estaduais e locais, promovendo capacitações, fazendo usos de tecnologias alternativas, levando incentivos fiscais e subsídios e simplificado o acesso a mercados internacionais e assistência técnica. O novo tempo chegou, bem-vindo à Economia Verde!

Eduardo Chiletto, arquiteto e urbanista, presidente da AAU-MT, academia.arquitetura@gmail.comhttps://www.instagram.com/academiaarqurb/

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Entretenimento

Mais Lidas da Semana