conecte-se conosco


Mundo

Banhista se afoga perto de área de competição e é resgatado por jet ski

Publicado

Um incidente inusitado aconteceu durante este primeiro dia de Rio Pro, etapa brasileira do Circuito Mundial de Surfe em Grumari, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Um banhista entrou no mar e se aproximou da área onde estavam sendo disputadas as baterias do evento e começou a se afogar. Dois salva-vidas locais foram resgatá-lo, mas também tiveram dificuldades para sair da água. Percebendo a situação complicada dos três homens, a organização da WSL acionou um jet ski da competição para resgatá-los. Nem o banhista nem os salva-vidas sofreram danos.

dscn0342_tPpybA5

Salva Vidas socorre homem afogado FOTO: GE

Nesta primeira fase, os brasileiros Filipe Toledo, Italo Ferreira, Marco Fernandez e Lucas Silveira venceram na estreia e avançaram diretamente para a 3ª fase. Já Gabriel Medina, Adriano de Souza, Jadson André, Miguel Pupo, Alex Ribeiro e Bino Lopes perderam e precisarão encarar a repescagem.

Fonte: GE

Comentários Facebook

Mundo

Brasil ganha destaque na mídia mundial na semana em que rompeu as 300 mil mortes por Covid

Publicado

Por G1

     A imprensa internacional repercutiu com preocupação o gravíssimo momento da pandemia do coronavírus pelo qual o Brasil passa.

     Nesta semana, o país atingiu a triste marca de 300 mil mortos por Covid-19. Só os Estados Unidos tiveram mais mortes pela doença — no entanto, graças às medidas de prevenção reforçadas e à rápida vacinação, os números despencaram nos últimos meses.

     Com o temor de que novas variantes atrapalhem o progresso alcançado pelas vacinas já desenvolvidas e que o vírus se espalhe mais ainda pelo mundo, veículos de imprensa alertam que a situação atual no Brasil merece atenção.

     Veja abaixo a repercussão internacional do desastre causado pela Covid no Brasil

The New York Times (Estados Unidos)

     A reportagem “Um colapso anunciado: como a epidemia de Covid-19 no Brasil sobrecarregou hospitais” ganhou destaque na home do jornal “The New York Times” neste sábado (27).

     O texto expõe a situação dos hospitais do Brasil — em especial, de Porto Alegre —e das famílias enlutadas pelas 300 mil mortes por Covid.

     Além disso, a reportagem menciona que o pior momento da pandemia poderia ser evitado se o governo brasileiro tivesse incentivado as pessoas a usarem máscara e praticarem o distanciamento social, ao mostrar pessoas que insistem em negar as descobertas da ciência sobre a pandemia.

CNN (Estados Unidos)

     O site da emissora americana CNN também destacou neste sábado que o Brasil tem “sinais de colapso” nos hospitais por causa do descontrole da pandemia.

     A reportagem critica o presidente Jair Bolsonaro por falta de uma resposta robusta à crise de saúde, mencionando as brigas políticas do Planalto com governadores que decretaram isolamento mais rígido para tentar conter os números do coronavírus.

     Na semana passada, a emissora publicou reportagem em que chamou o Brasil de “ameaça global” pelo descontrole da pandemia, ao considerar o país um território fértil para novas variantes com potenciais escapes às vacinas desenvolvidas.

The Economist (Reino Unido)

Também com destaque na edição para as Américas, o site da revista “The Economist” alerta sobre a variante P1, que vem se tornando dominante no Brasil e que preocupa por se mostrar mais contagiosa e com possibilidade de escape à imunidade natural.

A reportagem também cobra uma resposta do governo brasileiro: “Jair Bolsonaro tem muito o que responder”, diz o texto.

     Logo na abertura do texto, o repórter escreve sobre a morte por Covid-19 do senador Major Olímpio; como o falecimento do parlamentar levou choque à classe política brasileira — ele foi o terceiro senador a morrer por complicações da doença.

The Guardian (Reino Unido)

     O site do jornal britânico “The Guardian” publicou reportagem em que mostra que o Brasil vive “o mês de março mais triste” da vida dos brasileiros e cita as críticas que o presidente Bolsonaro vem sofrendo pela gestão da crise de saúde.

     O texto conta a história de profissionais da saúde esgotados com a situação nos hospitais do país, a preocupação com as variantes e a falta de ação coordenada do governo brasileiro para combater a crise sanitária.

Le Figaro (França)

     “No Brasil, a epidemia de Covid-19 está fora de controle”, diz o título da reportagem especial do jornal francês “Le Figaro” publicada em 24 de março, logo depois de o país chegar às 300 mil mortes.

     A reportagem mostra a situação em hospitais de São Paulo, onde uma possível falta fornecimento de oxigênio preocupava profissionais de saúde. Em outros textos, o jornal também demonstrou preocupação com a variante P1.

Clarín (Argentina)

     Também na quarta-feira em que o Brasil chegou a 300 mil mortes, o jornal argentino “Clarín” destacou a fila de quatro horas para enterros nos cemitérios de São Paulo.

“Colapso total”, diz o título da reportagem.

A reportagem mostra a gravidade da pandemia no estado mais populoso do país, além de exibir números sobre o agravamento da crise de saúde em todo o país.

Comentários Facebook
Continue lendo

Destaque

Organização veta torcedores do exterior das Olimpíadas de Tóquio

Publicado

Por Redação do ge — Tóquio, Japão

     Uma reunião entre o Comitê Organizador, os Comitês Olímpico Internacional (COI) e Paralímpico Internacional (IPC) e governantes japoneses definiu que torcedores residentes no exterior não serão permitidos nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio 2020. Apenas japoneses e estrangeiros residentes no país poderão adquirir ingressos para acompanhar as competições nas arenas.

     O presidente do COI, Thomas Bach, o presidente do IPC, o brasileiro Andrew Parsons, a presidente do Comitê Organizador, Seiko Hashimoto, a governadora de Tóquio Yuriko Koike e a Ministra Olímpica Tamayo Marukawa participaram da reunião.

     Em coletiva de imprensa concedida na sequência, Hashimoto disse que as partes japonesas apresentaram a decisão a Bach e Parsons, que lamentaram profundamente, mas respeitaram.

     – No momento a situação da Covid no Japão e em muitos outros países é muito desafiadora. Há restrições globais. As partes do lado japonês não poderiam garantir a entrada de torcedores do exterior sem afetar a segurança dos Jogos para os participantes e para o povo japonês. O COI e o IPC mostraram respeito e aceitaram esta conclusão. Estes Jogos serão completamente diferentes dos outros, mas a essência será a mesma, com os atletas dando o melhor e inspirando o mundo – disse Hashimoto.

     O Comitê Organizador disse não ser possível estimar neste momento o número de torcedores do exterior que viajariam ao Japão, mas confirmou que cerca de 600 mil ingressos haviam sido vendidos para as Olimpíadas e 30 mil para as Paralimpíadas para estrangeiros. Todos serão reembolsados, mas não foram divulgados ainda detalhes sobre o processo.

     A organização disse que só divulgará o impacto financeiro da medida após a definição da capacidade das arenas, que também deve acarretar em devolução de ingressos destinados ao público doméstico. Esta decisão será tomada e anunciada em abril, quando espera-se que a situação da Covid no país esteja melhor.

     – Haverá uma queda de receitas, isso é muito claro. Quando decidirmos na capacidade das venues também haverá um impacto, então ainda estamos no início dessa análise. Quando tivermos a figura geral vamos ter uma noção do impacto total – disse o CEO do Comitê Organizador, Toshiro Muto.

     Com o veto a torcedores do exterior, os atletas não poderão contar com a torcida in loco de familiares. A medida também afeta convidados de patrocinadores, que só poderão entrar no país se estiverem envolvidos de alguma forma na operação do evento.

     – Nos compartilhamos a decepção de todos os entusiastas das Olimpíadas ao redor do mundo, e claro, de parentes e amigos dos atletas que planejavam assistir aos Jogos. Realmente sinto muito. Sabemos que é um enorme sacrifício para todos. Mas dissemos desde o início desta pandemia que sacrifícios seriam necessários. Faremos todo o esforço junto às emissoras de televisão para que os fãs ao redor do mundo consigam ter a experiência olímpica – disse o presidente do COI, Thomas Bach.

     O caso dos voluntários será debatido em um outro momento. Estima-se que haja 8 mil voluntários do exterior, e a maioria deve ser barrada seguindo a mesma premissa. Mas é possível que haja exceções para aqueles com conhecimento específico em idiomas de minorias, por exemplo. Jornalistas estrangeiros credenciados terão entrada autorizada desde que cumpram os protocolos de segurança.

     A proibição começou a se desenhar de forma mais concreta no início do mês, diante da prorrogação do estado de emergência de Tóquio e três prefeituras vizinhas até o dia 21 de março. O surgimento de novas variantes do coronavírus no exterior, além da melhora tímida dos índices de contaminação no país e a falta de apoio da população foram determinantes.

     A presidente do Comitê Organizador, Seiko Hashimoto, havia estabelecido o dia 25 de março como data limite para a decisão sobre a presença de público estrangeiro. Apesar da vontade de adiar ao máximo a decisão na expectativa de uma melhora da pandemia, uma definição era necessária para o planejamento da rede hoteleira e de transportes do país.

     Torcedores japoneses ou residentes no Japão também terão que seguir protocolos de comportamento, mantendo distanciamento e evitando gritos e cantos. Em outubro do ano passado, os organizadores realizaram uma série de testes de medidas anti-Covid que podem ser implementadas para controle dos espectadores durante os Jogos.

     Chamaram atenção as diferentes tecnologias usadas para monitorar a temperatura corporal, desde o termômetro sem contato e câmeras termográficas a uma espécie de adesivo com cristais líquidos. Para minimizar aglomerações também havia adesivos colados no chão para controlar distanciamento social e pedidos para que os espectadores levassem às arenas apenas o indispensável. Com bolsas e mochilas menores o controle de segurança era mais ágil, e assim as filas tinham um fluxo melhor.

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana