conecte-se conosco


Destaque

Baixa umidade do ar é mais prejudicial para pessoas com problemas respiratórios, alerta médica

Publicado

Pessoas com problemas respiratórios crônicos como bronquite, asma, sinusite e rinite são as mais prejudicadas durante o período da seca. Nesta época, previsão do tempo aponta que umidade relativa do ar em Cuiabá pode chegar aos 12%, nível bem abaixo do considerado ideal pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que oscila entre 50% e 80%.

De acordo com a médica pediatra do Complexo Hospitalar Cuiabá (CHC), Aparecida Camacho, é fundamental que estas pessoas, além de realizarem o tratamento adequado com especialistas, mantenham-se hidratadas e tomem o cuidado de umidificar o ambiente em que vivem.

“Essa situação favorece a circulação de vírus e bactérias. Com a baixa umidade o aparelho respiratório é o que mais sofre. Crianças, idosos, pessoas com problemas crônicos são as maiores vítimas. Estamos há muitos dias sem chuva, o que aumenta a incidência dos sintomas de doenças como sinusite, asma, rinite”, explicou a especialista.

Leia também – Cuiabá registra dia mais quente desde 1911 e semana terá 43º C

A recomendação também é válida para quem não apresenta nenhuma enfermidade. A baixa umidade relativa do ar é prejudicial também para quem é considerado saudável. Sintomas recorrentes são a irritação na garganta, dificuldade de engolir, ressecamento das mucosas de vias aéreas, da pele e dos olhos, bem como ardência, alergias, desidratação e falta de ar.

Leia mais:   Bombeiros alertam para riscos do uso indevido de técnicas de combate aos incêndios florestais

Por isso, a especialista pontuou a necessidade de evitar os banhos quentes e o uso de produtos com agentes químicos que tirem a umidade natural da pele. A hidratação também se torna fundamental para evitar problemas como as dermatites.

Pexels

saúde

“O ideal é utilizar sabonete neutro e secar a pele de forma suave. Ainda, utilizar hidratante após o banho para evitar que a pele perca água e umedecer os olhos e nariz com soro fisiológico quantas vezes precisar. O uso de umidificadores de ambiente e toalhas úmidas espalhadas pela casa é recomendado. É preciso também beber muita água. A prática de exercícios físicos é bom evitar entre às 10h e às 16h, que é o pico de sol”, complementou.

Outro agravante para a baixa umidade relativa do ar são as queimadas, tanto na região da Baixada Cuiabana, como em cidades vizinhas. De acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), por exemplo, incêndio registrado no Pantanal entre janeiro e agosto de 2020 é o equivalente ao montante das queimadas dos últimos cinco anos, entre 2014 e 2019.

Leia mais:   Casos de coronavírus passam de 112 mil em MT e mortes pela doença chegam a 3.262

Tornou-se comum que a cidade amanheça com o céu encoberto pela fumaça, o que a especialista considerou como um “veneno para a saúde”. Esses cuidados são uma forma de reduzir os sintomas até que a fase crítica na região passe. Não existe previsão de chuva para as próximas semanas.

Da Assessoria

Comentários Facebook

Destaque

Casos de coronavírus passam de 112 mil em MT e mortes pela doença chegam a 3.262

Publicado

Foram notificadas 617 novas confirmações de casos de coronavírus no estado. Dos 112.817 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 15.756 estão em isolamento domiciliar e 93.026 estão recuperados.

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde deste sábado (19), 112.817 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 3.262 óbitos em decorrência do coronavírus no estado. Foram 14 mortes nas últimas 24 horas.

Foram notificadas 617 novas confirmações de casos de coronavírus no estado. Dos 112.817 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 15.756 estão em isolamento domiciliar e 93.026 estão recuperados.

Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 252 internações em UTIs públicas e 272 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está em 60% para UTIs adulto e em 31% para enfermarias adulto.

Comentários Facebook
Continue lendo

Destaque

Forças de Segurança Nacional virão a MT ajudar a combater incêndios florestais

Publicado

Ministério da Justiça e Segurança Pública enviará reforços para Mato Grosso

O Ministério de Justiça e Segurança vai enviar agentes das forças de segurança nacional para ajudar o Governo de Mato Grosso no combate aos incêndios florestais, já na próxima semana, a pedido do governador Mauro Mendes.

A informação foi confirmada ao secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, pelo Secretário Especial Adjunto da Secretaria Especial de Assuntos Federativos da Secretaria de Governo da Presidência da República, Júlio Alexandre.

“O governador Mauro Mendes solicitou essa ajuda já na última segunda-feira, para contribuir no combate a esse grande incêndio que está ocorrendo não só na região do pantanal, mas em todo o estado de Mato Grosso”, afirmou Carvalho, durante vistoria realizada por diversas autoridades na região do Pantanal, neste sábado (19.09).

O secretário pontuou que ainda não há informações sobre o número de combatentes e qual a estrutura que será disponibilizada a Mato Grosso.

“É uma ajuda extremamente importante do Governo Federal junto ao Estado, que não tem medido esforços no combate aos incêndios. Estamos solicitando não só ajuda de pessoas, mas de helicópteros, aeronaves e estrutura. Esses detalhes saberemos na semana que vem, assim que o Ministério da Justiça determinar o envio das forças de segurança nacional”, explicou.

Carvalho ressaltou que o Governo do Estado tem atuado forte no combate aos incêndios florestais desde março, quando foi lançado o Plano de Ação contra o Desmatamento Ilegal e Incêndios Florestais em Mato Grosso.

Leia mais:   MAIS 1,2 MIL INFECTADOS: MT ultrapassa 110 mil casos de covid e registra 22 mortes em 24h

Já foram mais de R$ 22 milhões investidos de recursos próprios, contando com 40 equipes espalhadas por todo o estado para o combate ao fogo, seis aeronaves, três helicópteros e mais de 2500 profissionais envolvidos, desde bombeiros militares, voluntários, integrantes da Defesa Civil e do Exército.

Porém, em virtude das condições climáticas desfavoráveis, como a baixa umidade e falta de chuvas há cerca de 120 dias, o Governo de Mato Grosso tem buscado novas parcerias para minimizar os impactos do fogo para o meio ambiente e qualidade de vida do cidadão. Além do combate, o Governo de Mato Grosso também tem adotado política de Tolerância Zero com os autores dos crimes ambientais, com R$ 189 milhões de multas aplicadas neste ano por uso irregular do fogo.

“O Governo do Estado já destinou R$ 22 milhões para o combate aos incêndios. O Governo Federal, em função do decreto de calamidade do governador, destinou mais R$ 10 milhões via Ministério do Desenvolvimento Regional. Todos esses recursos são 100% investidos no combate aos incêndios. Contratamos mais duas aeronaves e na próxima semana contrataremos mais uma, além de estrutura de caminhão-pipa e contratação de pessoas para contribuir com o combate na região pantaneira. Todos estão unidos: Governo Federal, do Estado e prefeituras”, disse o chefe da Casa Civil.

Leia mais:   Casos de coronavírus passam de 112 mil em MT e mortes pela doença chegam a 3.262

De acordo com a secretária de Estado de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti, a união de esforços de todas as instituições e da sociedade vai ajudar a “mitigar os impactos” dos incêndios. Ela ainda destacou o esforço para ajudar a resgatar os animais vítimas dos incêndios.

“O que estamos mobilizados é para fazer o controle dessa situação, com toda a comunidade científica, ambiental, testando novas alternativas para mitigar impactos, como o uso de retardantes. Já investimos mais de R$ 500 mil para o Posto de Atendimento a animais silvestres no pantanal. Ali é feito um atendimento emergencial para os animais resgatados, como um pronto-socorro. Fazemos esse primeiro atendimento, internamos se necessário e depois encaminhamos para outras unidades e até reintroduzimos na natureza, se for possível”, destacou.

Também estiveram na vistoria ao Pantanal o senador Wellington Fagundes; os deputados federais Dr. Leonardo, Rosa Neide, Nilton Tatto (SP), Paulo Teixeira (SP), Rodrigo Augustinho (SP) e Prof. Israel (DF); o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho; os deputados estaduais Wilson Santos e Carlos Avalone; os secretários Alexandre Bustamente (Segurança Pública), Cesar Miranda (Desenvolvimento Econômico) e Jefferson Moreno (adjunto de Turismo); e o comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Alessandro Borges.

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana