conecte-se conosco


Destaque

1ª vacina de covid em MT será simbólica; vacinação na terça

Publicado

Assessoria GD

O começo da vacina contra a covid-19, anunciado para esta segunda-feira (18), será apenas simbólico. Isso porque a distribuição para os municípios só começa na terça-feira (19). Inicialmente o governador Mauro Mendes (DEM) anunciou que a vacinação começaria às 16 horas, porém, a informação foi mudada pela assessoria.

Segundo o governo, o primeiro lote da Coronavac para Mato Grosso chega no estado às 16h35. A previsão é que em até duas horas após o pouso as vacinas sejam entregues à Secretaria de Estado de Saúde.

Para cumprir o começo do calendário de vacinação estabelecido pelo Ministério da Saúde, o Estado irá aplicar a primeira vacina ainda nesta segunda-feira, porém, ainda não foram divulgados o local e horário da imunização.

Esse primeiro lote servirá para imunizar 32,5 mil pessoas. Poderão se vacinar na primeira fase profissionais de saúde, pessoas com mais de 75 anos, idosos internados e povos indígenas.

O transporte das doses será realizado tanto por avião quanto por caminhões. Cada município definirá como serão distribuídas as doses para a população. No transporte agentes da Polícia Federal (PF) e Polícia Rodoviária Federal (PRF) irão atuar para garantir a segurança da vacina. (Com informações da assessoria)

Comentários Facebook
Leia mais:   Hospital São Luiz inaugura novos equipamentos e fortalece a assistência no oeste mato-grossense

Destaque

AL convoca sessão para instituir multas para quem furar ‘toque de recolher’

Publicado

Assessoria GD

O presidente da Assembleia Legislativa (AL), Max Russi (PSB), convocou para esta terça-feira (2) uma sessão extraordinária para votar o projeto de Lei do governo do Estado que instituirá multas para quem descumprir o toque de recolher das 19h às 5h pelos próximos 15 dias em Mato Grosso.

“A convocação será feita tranquila, já informei os deputados e todos estão a favor. A sessão ocorrerá de maneira virtual nesta terça-feira”, disse Russi, durante coletiva de imprensa ao lado do governador Mauro Mendes (DEM). O chefe do Poder Legislativo aprovou a medida adotada por Mendes, que decidiu baixar um decreto para conter o avanço da contaminação da covid-19 em Mato Grosso.

“A decisão do governador é acertada, primeiro  porque conversou com todos os envolvidos, conversou com as Federações, com os prefeitos e os Poderes. Fez um amplo diálogo e todos concordaram que é preciso algumas medidas, que não são as mais duras”, analisou o deputado.

Max Russi entende que a medida afetará parte do comércio que atua no período noturno. Porém, lembra que caso não diminua a ocupação dos leitos de UTIs que se encontra em 89% no Estado, medidas mais severas deverão ser implantadas como o lockdown.

Leia mais:   “Combinar aulas presenciais com aulas remotas não se configura ensino híbrido”, afirma professor do IFMT

Confira as novas medidas

– De segunda à sexta, proibição de todas as atividades econômicas das 19h às 5h. Aos sábados, a proibição será após o meio-dia. Nos domingos, nenhuma atividade será permitida. A exceção fica por conta das farmácias, serviços de saúde, funerárias, postos de gasolina (exceto conveniências) e indústrias.

– Nos horários permitidos, as atividades econômicas deverão respeitar as medidas de segurança, como o uso de máscara, distanciamento e limitação de 50% da capacidade máxima do local.

– Os serviços de entrega por delivery seguem autorizados até às 22h.

– O transporte coletivo e congêneres (Uber, 99, etc) podem funcionar normalmente.

– Toque de recolher a partir das 21h até às 5h, com proibição de circulação.

– Projeto de lei que prevê multa a pessoas físicas e às empresas que descumprirem as normas, bem como notificação à Polícia Civil e Ministério Público.

– Nos órgãos públicos estaduais, fica suspenso o atendimento presencial em todas as secretarias e órgãos do governo, com exceção das unidades finalísticas. Quanto a jornada de trabalho, cada secretaria/autarquia vai disciplinar medidas para redução do fluxo de pessoas.

Leia mais:   PM fecha festa clandestina com mais de 100 pessoas, apreende drogas e prende 8 pessoas em Cáceres
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaque

Petrobras dispara preços: gasolina sobe 41,3% e diesel, 34,1% em 2 meses

Publicado

Assessoria

Os preços dos combustíveis dispararam nas bombas desde o início do ano: a gasolina e o diesel acumularam altas nas refinarias de 41,3% e 34,1%, respectivamente. De acordo com o secretário de Fazenda, Rogério Gallo, o motivo é a política de preços praticada pela Petrobras, que faz com que os valores do litro dos combustíveis sofram reajustes de acordo com a variação cambial.

Nesta segunda-feira (01.03), a estatal anunciou aumento de 5% nos preços dos dois combustíveis, que serão praticados a partir de amanhã, dia 2 de março. Com o reajuste, o preço médio de venda, nas refinarias, da gasolina passará a ser de 2,60 reais por litro, alta de 12 centavos por litro (ou 4,8%), enquanto o diesel passará a média de 2,71 reais por litro, aumento de 13 centavos por litro (5%), disse a Petrobras.

O reajuste é o quinto do ano para a gasolina, que custava R$ 1,84, em dezembro; e o quarto para o diesel, que era de R$ 2,02, no mesmo período.

“A política de preços praticada pela Petrobras é o grande problema da alta no preço dos combustíveis, porque fica muito sensível à variação cambial: aumenta o dólar, aumentam a gasolina e o diesel; e também sensível à cotação do petróleo no mercado internacional. Se o governo federal não criar um fundo soberano para a Petrobras, para que os preços não sejam impactados e o produtor não transfira a diferença, o preço vai continuar subindo na bomba”, afirmou Gallo.

Leia mais:   Condutor perde controle da direção e capota carro na entrada de Cáceres

Ainda de acordo com o secretário, a alta nos preços dos combustíveis não se deve aos impostos, como ICMS e PIS-COFINS. “Em Mato Grosso, por exemplo, o ICMS praticado é o mesmo há 10 anos. Não há que se falar em aumento de imposto, porque o imposto não aumentou, o que provocou a alta foi principalmente a variação do dólar. Também não podemos esperar que a retirada do PIS-COFINS prometida pelo governo federal tenha qualquer impacto no preço das bombas, justamente porque houve esse aumento de 5%”, finalizou Gallo.

Comentários Facebook
Continue lendo

Cáceres e Região

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana